Brasília, 18 de setembro de 2018 às 14:46
Selecione o Idioma:

Brasil

Postado em 09/07/2018 11:34

A Embraer, a Boeing e o acordo do porco com a galinha para vender ovos com bacon.

.

Mauro Santayana

(Do blog com equipe) – Demorou mas a Embraer e a Boeing assinaram um memorando para a compra do controle da primeira pela segunda na área de aviação civil regional, justamente o filé da companhia brasileira.

Segundo o anunciado a Boeing vai pagar pouco mais de 4 bilhões de dólares para ficar com 8 em cada 10 ações e a EMBRAER com 20%.

Idiotas acham que isso não faz diferença.

Mas é obvio que se eu tenho apenas um quinto – ainda mais sem Golden Share – quem é que vai mandar na empresa?

Agora, se o negócio é bom para os dois, porque não ficou no meio a meio?

Porque o governo, que tem 380 bilhões de dólares em reservas internacionais herdadas do PT, e acha que para o Brasil essa associação vai ser a última limonada do deserto, não capitalizou a Embraer com dois bilhões de dólares para voltar ao negócio e garantir que ficassem em mãos brasileiras pelo menos 50% da nova empresa, ou melhor, 51% de uma companhia na qual a sociedade brasileira investiu tanto tempo, talento e dinheiro?

Como vai se assegurar que a fabricação das aeronaves fique no Brasil com esse acordo?

Ou a Embraer vai ter que transferir a produção dos aviões para os Estados Unidos, como teve que fazer quando foi obrigada pelo governo norte-americano a se associar com a Sierra Nevada da Flórida para vender para a Força Aérea dos EUA e para seus aliados o caça ligeiro Supertucano?

Pensando friamente no assunto, o que o atual governo brasileiro está fazendo é claro e cristalino.

Primeiro, permitir que os Estados Unidos, tomando controle da área de aviões regionais da Embraer, justamente a parte nobre do negócio, alcance o objetivo estratégico de controlar, de fato, o futuro da indústria aeronáutica brasileira.

E em segundo lugar, permitir que a Boeing tire do seu caminho um dos únicos concorrentes que tinha condições de, no futuro, se quisesse, passar a produzir aviões maiores, concorrendo diretamente com a própria Boeing e sua “concorrente” a Airbus, que acaba de fazer a mesma coisa com a Bombardier canadense.

Afinal, quem fabrica aviões para 150 passageiros, pode produzir aeronaves para 200, 260 passageiros.

Para isso só precisa de tempo e tecnologia.

Insumos que a Embraer já provou saber administrar com rara competência ao desenvolver toda uma nova família de aviões, a E2 (foto) em apenas cinco anos.

Um excelente negócio para as duas maiores fabricantes de passageiros do mundo, que passam a exercer, em conjunto, um virtual monopólio no mercado global de aviões de passageiros de grande porte, avaliado em uma bagatela de aproximadamente 200 bilhões de dólares por ano.

Esse acordo da Embraer com a Boieng  não lembra aquele acordo – ronc, ronc, ronc, Mister Temer – do porco com a galinha para vender ovos com bacon?

Ganha um pirulito e uma calça curta de tergal o coxinha que achar que norte-americanos e europeus não se sentaram para conversar a respeito.

Comentários: