Brasília, 21 de abril de 2019 às 11:12
Selecione o Idioma:

Colunistas

Postado em 25/03/2019 6:47

A pirotecnia politica não deu certo

.

Por Genaldo de Melo

Os crimes de Michel Temer são bem conhecidos na imprensa brasileira, mas sua prisão sem julgamento e sem condenação é uma aberração jurídica, o que prova que essa Lava Jato não tem nada de jurídica, e sim de política. Prova somente que os petistas têm razão, pois tem que se colocar em cana quem não serve mais, sem julgamento nenhum, apenas para justificar a prisão de Lula, e fazer cortina de fumaça em favor dos interesses de Bolsonaro.

Então não existem surpresas, nem novidade nenhuma, em sua soltura, porque era somente questão de tempo. Se o “vampirão boca de envelope amassado” tem culpa, ele tem sim que ser investigado até a última gota, ser julgado, condenado e cumprir sua pena como rezam as cartilhas jurídicas.

A impressão que ficou do evento estranho foi de verdadeira pirotecnia política que resultou num verdadeiro desastre tanto para o mentor da Lava Jato, hoje ministro da Justiça, Sérgio Moro, como também para o próprio Bolsonaro, que acabou comprando uma briga desnecessária com Rodrigo Maia, atrapalhando ainda mais seu desejo de mudar as regras das aposentadorias, prejudicando os brasileiros e beneficiando os grandes devedores da própria Previdência. Maia entregou a responsabilidade da articulação política!

Mesmo não dando certo o que foi projetado para servir de ameaça, tem muita gente sentindo o cheiro de algo muito grande para acontecer que abalará as estruturas da república brasileira. Há quem diga que Sérgio Moro será um fiasco, pois seu projeto anticrime pode não ser aprovado, e se comprovar um desastre político, e também há quem diga que Bolsonaro corre o risco de sofrer um impeachment.

Usar Lula nesse momento como cortina de fumaça não cabe mais, pois o líder político das massas populares já está preso indevidamente. A não ser que se descubra uma coisa braba para prender o próprio Rodrigo Maia, que muita gente acha meio difícil. Mas com essa turma de Curitiba não tem esse negócio de justiça ou provas jurídicas quando eles querem ferrar com alguém!

Comentários: