Brasília, 16 de julho de 2018 às 17:14
Selecione o Idioma:

Nossa América

Postado em 08/01/2018 2:48

América Latina: 47 jornalistas mortos em 2017 e o México com o maior numero de mortos

.


Warning: Illegal string offset 'filter' in /home1/patri590/public_html/patrialatina.com.br/wp-includes/taxonomy.php on line 1372
Share Button

Em 2017, 47 trabalhadores da imprensa foram assassinados em nove países da América Latina, incluindo a execução de um youtuber de 17 anos e o desaparecimento forçado não esclarecido no número 27, ambos crimes cometidos no México, um país que registrou 26 assassinatos, 62% do total detectado por esta investigação.

Por razões desconhecidas, essa figura terrível na América Latina e no Caribe é “reduzida” para mais da metade por ONGs dedicadas ao “negócio da liberdade de informação”. Desta forma, a placa de som monopolista dos grandes meios de comunicação do mundo inteiro revela menos assassinatos de informantes do que aqueles que realmente ocorrem nesta região onde não há guerra. Para contrariar esta desinformação no final, é oferecida a lista contra o esquecimento, com os dados elementares, nomes completos, idades, locais de trabalho, data do assassinato, circunstâncias do crime, etc., para mostrar que essas 42 vítimas eram pessoas reais … que trabalhavam como jornalistas, fotógrafos, radiodifusores, editores e comércios relacionados.

De acordo com a ordem alfabética dos nomes dos outros oito países, um assassinato ocorreu no Chile (o primeiro em mais de 30 anos, ainda por esclarecer), outros dois ocorreram na Colômbia, um em El Salvador, dois na Guatemala, cinco em Honduras , dois no Peru, dois na República Dominicana e um na Venezuela, de acordo com o registro do Comitê de Investigação dos Ataques sobre Jornalistas (Ciap) da Federação Latino-Americana de Jornalistas (Felap).

Havia também centenas de relatos credíveis de tentativas fracassadas de assassinato, espancamentos, jornalistas escutas governo México, ameaças de morte, e muitos outros ataques semelhantes em diferentes países da região, especialmente o México e Honduras. A morte em mãos de assassinos pagos pela corrupção da classe política e seu principal financiador de hoje, o tráfico de drogas (sem prejuízo de outros poderosos atores do grande crime) elimina sistematicamente jornalistas livres, críticos e éticos. Esta “limpeza permanente” é realizada com total impunidade, em cumplicidade com os sistemas políticos degradados pela corrupção generalizada. Tudo isso acontece em uma região do mundo onde não há guerra e, teoricamente,

Sob o denominador comum da impunidade absoluta, os jornalistas vivem estressados ​​porque qualquer um pode ser a próxima vítima, mas o ataque final contra um jornalista digno não é a única agressão que os repórteres e repórteres de mídia pequena e média e os correspondentes de jornal sofrem constantemente. nacional, principalmente nas províncias e estados. Os jornalistas da Cidade do México, que não pareciam tão afetados pelos ataques, denunciaram espionagem maciça de telefone e computador pelo governo com a tecnologia israelense.

A guilda se sente impotente, mas março reivindica justiça e proteção real em diferentes cidades do México. Os jornalistas não podem formar bandas armadas para se defender e preservar o seu direito à vida, assumindo um papel que corresponde a qualquer Estado que se orgulha de ser civilizado. Em vez disso, eles trabalham com medo e lutam em silêncio para que a autocensura não os detenha ou os inibe em troca de suas próprias vidas, dada a indiferença de poderes reais, formais e factuais.

Mesmo alguns jornais estão fechados para preservar a vida de seus funcionários. Outras mídias preferem ignorar a notícia dos assassinatos ou ignorar a condição de jornalistas e trabalhadores da informação das vítimas, especialmente quando se trata de repórteres indígenas, não famosos ou jornalistas não-multimídia simples. As leis de proteção são ineficazes, em particular a vigente no México.

Posição dos jornalistas mexicanos

As organizações mexicanas do sindicato denunciaram que “criminalizar os jornalistas vítimas é a resposta do governo à impunidade prevalecente” e acrescentou que “não existe outra maneira senão federalizar crimes contra as liberdades da imprensa e da expressão”.

Em 25 de dezembro de 2016, a Federação das Associações de Jornalistas Mexicanos, FAPERMEX; Federação Latino-Americana de Jornalistas, FELAP-MÉXICO; Faculdade Nacional de Graduados em Jornalismo, CONALIPE; O Club Primera Plana e a Associação Nacional de Radiodifusores condenaram e denunciaram publicamente a insistência perversa das autoridades em recorrer à criminalização de jornalistas vítimas, dada a ineficiência ou a provável complicidade na resolução desses ataques que prejudicam diretamente a sociedade, já que têm o propósito de minar as liberdades da imprensa e da expressão e, portanto, o direito à informação. (Thinking Americas-CubaDebate- Alainet)

http://www.pensandoamericas.com/america-latina-47-periodistas-asesinados-en-2017-mexico-el-pais-con-mas-crimenes

Comentários: