Brasília, 23 de fevereiro de 2018 às 09:35
Selecione o Idioma:

Pepe Escobar

Postado em 23/06/2016 10:21

Bilderberg do outro lado do espelho e o que se encontra por lá

.


Warning: Illegal string offset 'filter' in /home1/patri590/public_html/patrialatina.com.br/wp-includes/taxonomy.php on line 1372
Share Button
, Pepe Escobar Strategic Culture Foundation
http://www.strategic-culture.org/news/2016/06/21/bilderberg-seen-through-the-looking-glass.html
“Se era assim, podia ser; e se fosse assim, seria; mas como não é, não é. Isto é lógico.”
(Tweedledee, Alice no Outro Lado do Espelho (…), Cap.4)**
E o encontro anual de Bilderberg veio e se foi placidamente por trás de grossas portas fechadas (e cercas) no Hotel Taschenbergpalais Kempinski em Dresden – convenientemente eclipsado pela história sombria do muçulmano nascido nos EUA e registrado no Partido Democrata, com emprego fixo na empresa de segurança global 4GS e sem ficha criminal, repentinamente travestido como suposto jihadista urbano inspirado no Daech e alucinado atirador contra alvos LGBT.

Alguns dos Masters of the Universe de sempre – mais principalmente seus escribas selecionados – lá estavam em Bilderberg num alegremix de Goldman Sachs-encontra-Google. Podem divertir-se o quanto queiram traçando as possíveis conexões entre os participantes oficiais, todos eles nababescamente recebidos pela organizadora Airbus.

O que realmente conta no [Grupo de] Bilderberg é o que só os seletos Masters e mensageiros discutem por trás de portas fechadas – não as tais “sessões” de comissões com convidados (e que incluem representantes de The Economist, Bloomberg, do FT ou do Wall Street Journal). Bilderberg é como versão redux, ultra seleta, de Davos, mais semelhante às reuniões da Comissão Trilateral.[1]

Bilderberg segue uma “regra Chatham House” extremamente estrita, pela qual, se você é participante você pode usar qualquer informação que receba dos seus pares ali reunidos, desde que revele a fonte. É parecido com o modo como opera o eixo Governo dos EUA/Wall Street.

Assim sendo, sobre o que falam aqueles mais de 150 exponentes do que Zygmunt Bauman definiria como o creme das elites (transatlânticas) da modernidade líquida – dois terços, da Europa Ocidental, o resto, da América do Norte?

Previsivelmente, do que sempre falam ministros de finanças e presidentes executivos de megaempresas: da preservação do que Immanuel Wallerstein descreve como o “sistema-mundo”, no que se conhece como capitalismo turbo-financeiro; e da necessidade de mudar umas poucas coisas, para garantir que nada mude, de substancial. Pense na coisa como grupo categoria sete estrelas, de pensamento.

Como meu agente infiltrado (diplomata europeu) contou-me, esse ano alguns itens chaves na agenda da Nova Ordem Mundial (NOM) foram obrigatoriamente discutidos, coisas tipo como bloquear Donald Trump nos EUA e Brexit na Grã-Bretanha e custe o que custar; e, também, como enfiar goela abaixo da opinião pública europeia a Parceria Transatlântica para Comércio e Investimento [ing. TTIP], também custe o que custar.

Mas outros imperativos globalistas também foram importantes, como a criação de um passaporte virtual online – uma Internet ID – sem o qual ninguém conseguirá dizer, ou comprar, coisa alguma. O pretexto é promover mais “cibersegurança”. A ideia, não surpreendentemente, saiu daquela orwelliana Comissão Europeia (CE).

Plutocracia X precariato

Foi estrada longa e sinuosa desde a sessão inaugural, em 1954, no Hotel De Bilderberg em Oosterbeek, Holanda. Sim, a NOM faz negócios em Bilderberg, como também fazia na Trilateral. Também se ouve a boataria/versões oficiais – discutimos megatendências e “grandes” gestões globais. Teorias conspiracionais, aqui, portanto, são perda de tempo. O que interessa é inferir como e para que objetivo esse Valhalla político-econômico implementará itens da agenda – de progressos na Inteligência Artificial [ing. artificial intelligence (AI), à nova fronteira da cibersegurança.

Mas não se trata só de negócios. Um dos temas chaves esse ano foi o precariato – que o economista britânico Guy Standing define como as massas “alienadas, anômicas, ansiosas e iradas”, aterrorizadas ante o risco de perderem os empregos e mergulharem em vida ainda mais miserável.

Se se acompanha a descrição geral – “…trabalhadores de tempo parcial perpétuo, os que vivem com salário mínimo, trabalhadores estrangeiros temporários, servidores domésticos do mercado nebuloso dos salários em dinheiro de mão para mão (…) os tecno-miserabilizados cujo trabalho não tem escritório nem horário nem fim, os idosos que lutam para sobreviver com aposentadorias que só encolhem, povos indígenas marginalizados, mães sem apoio de nenhum tipo, trabalhadores sem poupança, a geração para a qual aposentadoria e pensão não são nem existentes nem desejadas” –, são trabalhadores/trabalhadoras precários/as a vasta maioria do proletariado/classes médias baixas urbanas globais.

Em todo o ocidente industrial, essa realidade conecta-se com a crescente massa de eleitores que apoia Trump nos EUA e sortidos grupos de direita na Europa. Não surpreende que o 0,00001% esteja alarmado. Não que a rotina da modernidade líquida em alta velocidade em que vivem lhes permita saber qualquer coisa de substancial sobre os padecimentos do precariato –, ainda que a batalha que define nossos tempos se trave em torno de o que a plutocracia conseguirá fazer para conter essas massas proletárias crescentes.

Seja como for, alguns personagens de Bilderberg oferecem pelo menos uma deliciosa espiadela sobre as interpolações das portas giratórias. Vejam por exemplo o ex-diretor da CIA caído em desgraça e superstar da ‘avançada’ no Iraque David Petraeus, hoje brilhando como empregado do bilionário Henry Kravis, da [corretora] KKR, casado com a membro-sênior do Hudson Institute Marie-Josée Kravis, atualmente na diretoria da gigante francesa Publicis de publicidade e relações públicas e diretora da [empresa] LVMH. Tem-se assim umaCIA-KKR-LVMH; o que haveria de errado nisso? Coisa mais subversiva-chique!

Ou vejam o líder de torcida acadêmico de baixo escalão Niall Ferguson, estranho “professor de história, Harvard University”, mas, principalmente, membro da diretoria de AMG, butique de investimentos (que administra $642 bilhões de fundos). Caiu-lhe a boca a profundidades suboceânicas, ante a possibilidade de passar quatro dias trancado num hotel com seu ídolo, nonagenário criminoso de guerra Henry Kissinger. Ferguson, claro, é autoungido biógrafo de Kissinger.

Ou, se preferirem, vejam a sessão restrita, pequena, hardcore, aconchegante, dos fabricantes de armas: a gigante italiana Finmeccanica, a gigante da Defesa Honeywell (fabrica motores para os drones), a Saab (mandou o principal acionista Jacob Wallenberg), com Alex Karp, da gigante de dados Palantir, apoiada pela CIA, servindo os martinis.

Aceitam PayPal?

Bilderberg, é claro, sempre foi, tradicionalmente, lobby básico de operação do Big Oil e da banqueirada Grande Demais para Quebrar (GDPQ) [ing. Too Big To Fail (TBTF) Banking]. E nem preciso dizer que o/a candidato/a oficial de Bilderberg à presidência dos EUA é Hillary Clinton.

Mas Bilderberg hoje tem a ver também com as majors do Vale do Silício. Eis o cofundador da [empresa] PayPal Peter Thiel – também diretor da Facebook e presidente da Palantir – dedicado a uma definição pós-moderna de transparência: “Acho que temos muitos problemas na nossa sociedade (…) Temos de achar meios para falar a pessoas nos pontos onde nem tudo é completamente transparente. Libertarismo não é sinônimo de transparência radical. Esse é argumento que serviria à Stasi, na Alemanha Oriental, onde tudo tinha de ser monitorado pela sociedade. E acho que quase sempre se conseguem conversas melhores em pequenos grupos, nos quais nem tudo esteja sendo monitorado; é assim que se conseguem as conversas mais honestas e é assim que você pode pensar melhor sobre o futuro”.

Então é isso. Transparência é assunto de tons de cinza e de quem controla os tons. O que nos leva a algumas coisas que – transparentemente – não foram discutidas em Bilderberg, e mesmo assim nos afetam.

Alguns atlanticistas – mas com certeza não dos que super fazem e super acontecem – observaram o que aconteceu ao plano do presidente executivo do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, para criar um código de melhores práticas para salas diretoras nos EUA, tipo para implementar governança verdadeiramente corporativa.

Nada. Aconteceu nada. Zero. Nada-nada. Nem se falou do plano. A ideia foi realmente detonada, triturada pela corretora Fidelity e os $2,2 trilhões que administra. Essencial aqui é lembrar que as corretoras Fidelity (presidenta executiva: Abigail Johnson), BlackRock (presidente executivo: Larry Fink), Capital Group (presidente executivo: Tim Armour) e Vanguard (presidente executivo: Bill McNabb) têm ascendência tremenda sobre todos os grandes bancos que compõem o Federal Reserve, para nem falar do poder que têm sobre um verdadeiro “Quem é Quem” das maiores empresas dos EUA.

Para dizê-lo resumidamente: esses Quatro Grandes controlam completamente o Federal Reserve dos EUA, dado que controlam os maiores bancos e porções consideráveis de empresas ocidentais. Esse estão, sim, entre os Masters dos Masters of the Universe – ou do que Adam Smith chamou, nos idos de 1776, “os patrões da humanidade” [ing. “the masters of mankind”]. Transparência? São mais opacos até que Bilderberg. Nem precisam ir a Bilderberg. Querem que tudo permaneça exatamente como está.

E não aceitam PayPal.***** 


* Referência a Through the Looking-Glass and What Alice Found There, de Lewis Carroll, de 1871 (tb em português). A tradução do título, aqui, é tentativa. Comentários e correções são bem-vindos [NTs].

** Epígrafe acrescentada pelos tradutores [NTs].

[1] Comissão Trilateral: fórum de discussão privado fundado em julho de 1973 por iniciativa de David Rockefeller, com Zbigniew Brzezinski, Jimmy Carter e David Rockefeller como cofundadores.

Comentários: