Brasília, 23 de fevereiro de 2018 às 09:38
Selecione o Idioma:

Cuba

Postado em 16/01/2018 1:43

Cuba e o retorno migratório

.


Warning: Illegal string offset 'filter' in /home1/patri590/public_html/patrialatina.com.br/wp-includes/taxonomy.php on line 1372
Share Button

Por Salim Lamrani (*)

Conhecido como uma terra de emigração, Cuba experimentou um novo fenômeno por vários anos: a migração de retorno.

Desde o triunfo da Revolução cubana em 1959, os Estados Unidos fizeram do problema da migração um instrumento de desestabilização da ilha, em nome da guerra travada contra o primeiro país socialista do continente americano. Assim, nos primeiros dias que se seguiram à vitória de Fidel Castro, Washington abriu as portas aos defensores da ditadura Fulgencio Batista e à oligarquia do antigo regime. De 1960 a 1969, mais de 200 mil cubanos partiram para os Estados Unidos. Como comparação, o total da década anterior, de 1950 a 1959, foi de 73 mil saídas para os Estados Unidos. [1]

Três razões explicam que a emigração maciça. Primeiro, historicamente, Cuba sempre foi um país com forte emissão migratória para o vizinho do norte. Em 1959, Cuba ocupou o segundo lugar no continente americano logo atrás do México. Cuba emitiu uma emigração mais forte do que a de todos os países do Caribe juntos e a de todas as nações da América Central combinadas. Do mesmo modo, nenhum país da América do Sul, nem o Brasil, nem a Colômbia, nem a Argentina tinham uma emissão migratória superior à de Cuba. Ainda mais, a soma migratória destes três mastodons demográficos era inferior à de Cuba. [2]

O segundo fator que favoreceu a emigração cubana para os Estados Unidos desde 1960 foi a aplicação de severas sanções econômicas contra a ilha desde julho de 1960, que foram totais em fevereiro de 1962. Eles impuseram condições drásticas de vida na ilha. Cubanos e dificuldades de todos os tipos, estimulando o caminho para os Estados Unidos. Ainda em vigor até hoje, eles afetam todas as categorias da população cubana, especialmente os segmentos mais vulneráveis, bem como todos os setores da sociedade. Rejeitado pela comunidade internacional por sua natureza anacrônica, cruel e ilegal, as sanções são o principal obstáculo para o desenvolvimento do país. Em 2016, pelo vigésimo quinto ano consecutivo,

O terceiro parâmetro que deve ser levado em consideração é a Lei de Ajuste Cubano, em vigor desde 1966. Esta legislação especial, única no mundo, estipula que todo cubano que emigra legal ou ilegalmente aos Estados Unidos, de forma pacífica ou violenta, em 1 de janeiro de 1950 ou mais tarde, ele é recebido com os braços abertos, recebe vários auxílios sociais e obtém automaticamente após um ano e um dia o status de residente permanente. Obviamente, é uma ferramenta formidável para incitar a emigração legal e ilegal. [4]

Em dezembro de 2014, o presidente Barack Obama decidiu estabelecer um diálogo com Cuba para tentar resolver por meios pacíficos a disputa que Washington se opôs a Havana há mais de meio século. Foram tomadas várias medidas construtivas, como, entre outras, a abertura de embaixadas nas respectivas capitais, o levantamento de algumas restrições ao comércio, embora muito limitado, a retomada das conexões aéreas e marítimas diretas entre os dois países e a assinatura de um um acordo migratório entre Cuba e os Estados Unidos em janeiro de 2017 que encerra a política de “pés secos / pés molhados” – segundo a qual os cubanos que conseguem atravessar o Estreito da Flórida e pisar no solo dos EUA são aceitos automaticamente – assim como ao Programa Médico Cubano,

Essas medidas, somadas à estabilidade política da ilha, à melhoria da situação econômica e à reforma imigratória cubana do Decreto-Lei 302 de 2013 que eliminaram obstáculos burocráticos relacionados à viagem, incitaram muitos cubanos localizados no exterior. para retornar definitivamente a seu país natal e reduzir consideravelmente as partidas finais. Assim, em 2016, cerca de 14 mil cubanos estabelecidos no exterior decidiram retornar definitivamente ao seu país de origem, ou seja, um valor superior ao total dos anos 2013 a 2015, o que representa um aumento de 300% em quatro anos. [ 6]

Por otra parte, para los años 2013-2016, el saldo migratorio total, entre las entradas de cubanos y extranjeros que decidieron establecerse en Cuba y las salidas, es de menos 36.000, o sea un total de 9.000 salidas por año. Aunque sigue negativo, este saldo se ha dividido por cuatro con respecto a 2012, cuando la cifra era de 35.000 salidas al año. De 2013 a 2016, más de 670.000 cubanos realizaron al menos un viaje en el exterior. Para el 78% de ellos se trataba de su primer viaje. Sólo el 9% decidió quedarse en el exterior.[7]

Essas figuras ilustram a realidade do problema migratório cubano. Com efeito, a imensa maioria da emigração cubana é econômica e não política. Ele aspira a manter laços normais e pacíficos com sua pátria. Da mesma forma, eles ilustram que, apesar das dificuldades e vicissitudes diárias inerentes a um país subdesenvolvido e vítimas de sanções econômicas, os cubanos, em sua maior parte, permanecem em anexo ao seu país e ao seu modelo de sociedade que oferece à população e acima de tudo para as mais vulneráveis, as condições de uma vida digna, graças ao acesso universal às necessidades básicas, à educação, à saúde e à cultura, bem como à segurança e ao bem-estar. (Pensando Américas)

(*) Colaborador da Thinking Americas. Doutora em Estudos Ibéricos e Latino-Americanos da Paris Sorbonne University-Paris IV, Salim Lamrani é professor da Universidade de La Reunião e jornalista especialista em relações entre Cuba e os Estados Unidos. Seu último livro é intitulado Cuba, palavra à defesa !, Hondarribia, Editorial Hiru, 2016.

http: //www.tiendaeditorialhiru.com/informe/336-cuba-palabra-a-la-defensa …

Contato: lamranisalim@yahoo.fr ; Salim.Lamrani@univ-reunion.fr

Página do Facebook: https://www.facebook.com/SalimLamraniOfficiel

[1] Departamento de Segurança Interna, “Anuário 2008 de Estatísticas da Imigração”, Office of Immigration Statistics, agosto de 2009. https: //www.dhs.gov/xlibrary/assets/statistics/yearbook/2008/ois_yb_2008 … ( site consultado em 31 de julho de 2017)

http://www.pensandoamericas.com/cuba-y-el-regreso-migratorio

Comentários: