Brasília, 21 de agosto de 2017 às 01:37
Selecione o Idioma:

Oriente Médio

Postado em 10/07/2016 10:33

Damasco condena hipocrisia do Ocidente no meio de bombardeios de Aleppo

.

Share Button
© REUTERS/ Abdalrhman Ismail
Como o número de mortos em Aleppo, na Síria, continua subindo no meio de intenso bombardeio das áreas residenciais pelos rebeldes chamados de “moderados”, funcionários oficiais de Damasco enviaram uma carta às Nações Unidas, dizendo que a situação na cidade destaca a hipocrisia dos países ocidentais.
Cerca de 30 civis, na maioria mulheres e crianças, foram mortos e 150 ficaram feridos em resultado de bombardeios de dormitórios em Aleppo, informou o Ministério da Defesa russo no sábado (9). Os ataques foram realizados pelos “moderados”, apoiados pelos EUA, unidos com a Frente al-Nusra, em pleno cessar-fogo de 72 horas. Ao mesmo tempo, a população de Aleppo, a maior cidade do país, permanece sitiada com falta de alimentos e combustível.
Bairro de al-Kalasa em Aleppo, Síria
© AFP 2016/ AMEER ALHALBI
O Ministério das Relações Exteriores sírio dirigiu uma carta ao Conselho de Segurança da ONU e ao secretário-geral Ban Ki-moon, criticando as potências ocidentais por apoiarem os “grupos de oposição moderados” que atacam permanentemente a cidade, apesar do mês sagrado muçulmano do Ramadã e do acordo de trégua, segundo a agência de notícias SANA.
Ao mostrar boa disposição perante os “moderados”, nações como França, Grã-Bretanha e EUA visam derrubar o presidente sírio ao invés de lutar contra o terrorismo, acrescentou a carta.
A posição do Ocidente para com o bombardeio maciço e contínuo de Aleppo foi caracterizada na carta como “hipocrisia profunda.” As autoridades sírias também acrescentaram que as potências regionais, incluindo Arábia Saudita, Qatar e Turquia, facilitam as coisas aos terroristas espalhando “destruição e ódio”.
“Os grupos terroristas armados que são apoiados e financiados por forças externas continuaram alvejando bairros residenciais na cidade de Aleppo com munições explosivas e foguetes”.
Aleppo foi dividida em zonas controladas pelo governo e pelos rebeldes desde 2012, após a erupção das hostilidades. No momento, 200 mil pessoas permanecem em áreas controladas pelos militantes.
O conflito na Síria começou em 2011, se transformando em guerra de grande escala. Mais de 270 mil civis já morreram desde então.

http://br.sputniknews.com/mundo/20160710/5538332/damasco-hipocrisia-aleppo.html

Comentários: