Brasília, 16 de dezembro de 2017 às 20:02
Selecione o Idioma:

James Petras

Postado em 02/03/2017 5:55

Diplomacia e democracia nos Estados Unidos de Trump

.

Share Button
Decorrido o primeiro mês da administração do presidente Trump estamos em melhores condições para avaliar as políticas e a direcção do novo presidente. Um exame da política externa e interna, particularmente de uma perspectiva histórica e comparativa, proporcionará antevisões sobre se a América está a avançar para uma catástrofe como afirmam as mídias corporativas ou rumo a maior realismo e racionalidade.
Por James Petras, no Global Research
Assim, examinaremos se Trump prefere a diplomacia em relação à guerra. Avaliaremos os esforços do presidente para reduzir a dívida externa dos EUA e os seus fardos comerciais com a Europa e a Ásia. Prosseguiremos com a discussão das suas políticas de imigração e protecionistas com o México. Finalmente, abordaremos as perspectivas para a democracia nos Estados Unidos.

As reuniões do presidente Trump efectuadas com os líderes do Japão, Reino Unido e Canadá em grande medida foram um êxito. A reunião Abe-Trump levou a laços diplomáticos mais estreitos e a uma promessa de que o Japão aumentaria seu investimento na indústria automobilística nos EUA. Trump pode ter melhorado as relações ao reduzir os desequilíbrios comerciais. Trump e Abe adoptaram uma posição moderada sobre o teste de míssil da Coreia do Norte no Mar do Japão, rejeitando uma nova acumulação militar como exigido pelas mídias liberais-neocon.

A reunião EUA-Reino Unido, no período pós Brexit, prometeu aumentar o comércio.

Trump propôs melhorar relações com a China, apoiando claramente a política de “China única” e processos para renegociar e reequilibrar relações comerciais.

Os EUA apoiaram a votação unânime do Conselho de Segurança da ONU de condenação do lançamento do míssil da Coreia do Norte. Trump não considerou que constituísse uma ameaça militar ou aumentar o nível de sanções adicionais.

A política de Trump de reconciliação com a Rússia a fim de melhorar a guerra contra o terrorismo islâmico foi frustrada. A caçadora de bruxas Elizabeth Warren da esquerda liberal, militares neoconservadores e membros do Partido Democrata declararam a Rússia como a ameaça primária à segurança nacional dos EUA!

O raivoso e incessante ataque das mídias corporativas forçou a demissão do Conselheiro de Segurança Nacional de Trump, o general na reserva Michael Flynn, com base numa lei do século 18 (o Logan Act ) que proibiu cidadãos privados de discutirem política com líderes estrangeiros. Esta lei nunca fora aplicada. Se fosse imposta, centenas de milhares de cidadãos americanos, especialmente pessoas importantes entre os 51 presidentes das principais organizações judaicas americanas, bem como editores de assuntos externos de todos os grandes e pequenas mídias dos EUA, além de acadêmicos especializados em política externa, estariam na cadeia junto com traficantes de droga condenados. Sem jamais se embaraçar com o absurdo ou com a banalização da tragédia, esta recente “Tempestade num copo de água” provocou apelos apaixonados por parte das mídias e de operacionais do Partido Democrata em favor de uma nova investigação estilo 11 de Setembro quanto a conversas do general Flynn com os russos.

O revés de Trump quanto ao seu Conselheiro de Segurança Nacional Flynn pôs em perigo as perspectivas de melhoria nos assuntos externos, tornando-as menos belicosas. Isto eleva o risco de uma confrontação nuclear e de repressão interna. Estes perigos, incluindo um expurgo interno anti-russo, estilo McCarthy, de políticos “realistas”, são da responsabilidade exclusiva dos ultramilitaristas do Partido Democrata em aliança com os neoconservadores. Nada disto corrige os graves problemas socio-econômicos internos.

Reequilibrar o gasto externo e o comércio

O compromisso público de Trump acerca do reequilíbrio das relações dos EUA com a Otan, nomeadamente pela redução da fatia do financiamento estado-unidense, já começou. Actualmente apenas cinco membros da Otan cumprem a contribuição requerida. A insistência de Trump sobre a Alemanha, Itália, Espanha, Canadá, França e 18 outros membros para que cumpram seus compromissos acrescentaria mais de US$100 bilhões ao orçamento da Otan – reduzindo desequilíbrios externos dos EUA.

Claro está que seria muito melhor para todos se a Otan fosse desmantelada e as várias nações redistribuíssem estas muitas centenas de bilhões de dólares para gastos sociais e desenvolvimento econômico interno.

Trump anunciou um grande esforço para reduzir desequilíbrios comerciais dos EUA na Ásia. Ao contrário das afirmações, feitas frequentemente por “peritos” em comércio externo das mídias corporativas, a China não é a único, ou mesmo o maior, entre os “transgressores” que exploram o comércio desequilibrado com os EUA.

O atual excedente comercial da China é de 5% do seu PIB, ao passo que o da Coreia do Sul é de 8%, o de Formosa é de 15% e o de Singapura é de 19%. O objectivo de Trump é reduzir os desequilíbrios comerciais dos EUA para US$ 20 bilhões com cada país ou 3% do PIB. A quota de US$ 100 bilhões de Trump posiciona-se em contraste acentuado com o desequilíbrio comercial dos “Cinco asiáticos” (Japão, China, Coreia do Sul, Formosa e Singapura) de US$ 700 bilhões em 2015, segundo o FMI.

Em suma, Trump está a mover-se para reduzir desequilíbrios externos em 85% a fim de aumentar a produção interna e criar empregos para indústrias com base nos EUA.

Trump e a América Latina

A política latino-americana de Trump está centrada primariamente no México e num grau muito menor no resto do continente.

O maior movimento da Casa Branca foi por a pique a Parceria Comercial Trans-Pacífico de Obama, a qual favorecia corporações multinacionais que exploram a força de trabalho do Chile, Peru e México, bem como atraía os regimes neoliberais na Argentina e no Uruguai. Trump herda do presidente Obama numerosas bases militares na Colômbia, Guantanamo, Cuba e Argentina. O Pentágono tem continuado a “guerra fria” de Obama com a Venezuela – acusando falsamente o vice-presidente venezuelano de tráfico de droga.

Trump prometeu alterar a política comercial e de imigração dos EUA com o México. Apesar da oposição generalizada da política de imigração de Trump, ele está muito aquém de Obama na expulsão maciça de imigrantes do México e da América Central. O campeão da deportação da América foi o presidente Barack Obama, o qual em oito anos expulsou 2,2 milhões de imigrantes e membros das suas famílias, ou aproximadamente 275 mil por mês. No seu primeiro mês no gabinete, o presidente Trump deportou apenas um por cento da média mensal de Obama.

O presidente Trump promete renegociar a NAFTA [Acordo de Livre Comércio da América do Norte], impondo uma tarifa sobre importações estimulando corporações multinacionais dos EUA a retornarem e investirem na América.

Há numerosas vantagens ocultas para o México se responder às políticas de Trump com as suas próprias medidas econômicas de “protecionismo recíproco”. Sob o Nafta, dois milhões de agricultores mexicanos foram à bancarrota e bilhões de dólares foram gastos a importar arroz, milho (subsidiados) e outros produtos dos EUA. Uma política de “Mexico First” poderia abrir a porta a um ressuscitar da agricultura mexicana para consumo interno e exportação. Isto diminuiria a migração para fora de trabalhadores agrícolas mexicanos. O México poderia renacionalizar sua indústria petrolífera e investir em refinarias internas ganhando bilhões de dólares e reduzindo importações de refinados de petróleo dos EUA. Com uma política obrigatória de substituição de importações, a manufatura local poderia aumentar o mercado interno e o emprego. Aumentaria empregos na economia formal e reduziria o número de jovens desempregados recrutados pelos carteis da droga e outras gangues criminosas. Ao nacionalizar os bancos e controlar os fluxos de capitais, o México poderia bloquear a saída anual de cerca de US$ 50 bilhões de fundos ilícitos. Políticas nacionais-populares, via reciprocidade, fortaleceriam a eleição de novos líderes que poderiam começar a expurgar a corrupta liderança policial, militar e política.

Em suma, se bem que as políticas de Trump possam causar algumas perdas a curto prazo, elas podem levar a vantagens substanciais a médio e longo prazo para o povo mexicano e a nação.

Democracia

A eleição do presidente Trump provocou uma virulenta campanha autoritária que ameaça nossas liberdades democráticas.

A propaganda altamente coordenada e infindável de todas as mídias principais e dos dois partidos políticos falsificou e distorceu informações e encorajou representantes eleitos a condenar alguns nomeados de Trump para a política externa, obrigando a demissões e inversões de política. A demissão forçada do Conselheiro de Segurança Nacional Michael Flynn esclarece a agenda pró guerra do Partido Democrata contra a Rússia com armamento nuclear. Senadores liberais que outrora fizeram grandes discursos contra a “Wall Street” e os “Um por cento”, agora pedem que Trump se recuse a trabalhar com o presidente Putin da Rússia contra a ameaça real do Estado Islâmico ao mesmo tempo que apoiam os neonazitas na Ucrânia. Figuras liberais pressionam abertamente pelo envio de mais navios de guerra dos EUA para a Ásia para provocar a China, enquanto se opõem à política de Trump de renegociar favoravelmente acordos comerciais com Pequim.

Há muitos perigos e vantagens ocultos nesta guerra político-partidária.

Trump revelou as mentiras e distorções sistemáticas das mídias corporativas, confirmando a desconfiança da maioria dos americanos para com as notícias delas. A opinião negativa das mídias, especialmente entre americanos no centro economicamente devastado do país (aqueles descritos por Hillary Clinton como os “deploráveis” ) é claramente acompanhada pelo profundo desprezo das mídias por esta enorme porção do eleitorado. Na verdade, a constante tagarelice das mídias acerca de como os maus “russos” hackearam as eleições presidenciais dos EUA dando a vitória a Donald Trump é, mais provavelmente, um “apito silencioso” [1] para mascarar sua relutância em denunciar abertamente os “brancos pobres” – incluindo trabalhadores e rurais americanos – que votaram esmagadoramente por Trump. Esta classe e elementos regionais explicam em grande medida a constante histeria acerca da vitória de Trump. Há fúria generalizada entre as elites, intelectuais e burocratas sobre o fato de que a grande cesta de deploráveis de Clinton rejeitou o sistema e rejeitou seus porta-vozes penteadinhos e manicurados das mídias.

Pela primeira vez há um debate político sobre liberdade de expressão aos mais altos níveis do governo. O mesmo debate estende-se ao novo desafio do presidente em relação ao enorme e não controlado aparelho das polícias estatais (FBI, NSA, CIA, Homeland Security, etc), o qual se expandiu maciçamente sob o governo de Barack Obama.

As políticas comerciais e de alianças de Trump despertaram o Congresso dos EUA para debates sobre questões substantivas ao invés de quezílias procedimentais internas. Mesmo as políticas retóricas de Trump provocaram manifestações de massa, algumas das quais são de boa fé, ao passo que outras são financiadas pelos apoiantes bilionários do Partido Democrata e da sua agenda expansionista neoliberal, como o “Papai do céu das revoluções coloridas”, George Soros. É uma questão grave se isto pode proporcionar uma abertura para genuínos movimentos de base democrático-socialistas organizarem e aproveitarem o fosso entre a elite.

As falsas acusações de comunicação “traiçoeira” com o embaixador russo feitas ao Conselheiro de Segurança Nacional de Trump, Michael Flynn, enquanto ainda civil, e o recurso ao Logan Act contra civis a discutirem política externa com governos estrangeiros, abre a possibilidade de investigar legisladores, como Charles Schumer e várias centenas de outros, por discutirem posições de política estratégica com responsáveis israelenses…

Ganhe ou perca, a administração Trump abriu um debate sobre as possibilidades de paz com uma superpotência nuclear, um reexame do enorme défice comercial e a necessidade de defender a democracia contra ameaças autoritárias da assim chamada “comunidade de inteligência” contra um presidente eleito.

Trump e a luta de classes

A agenda sócio-econômica de Trump já pôs em movimento poderosas correntes subterrâneas de conflito de classes. A classe média e política tem-se centrado sobre conflitos relativos a imigração, questões de gênero e relações com a Rússia, Otan e Israel bem como política intra-partidária. Estes conflitos obscurecem antagonismos de classe mais profundos, os quais resultam de propostas econômicas radicais de Trump.

A proposta do presidente Trump de reduzir o poder das agências federais regulatórias e de investigação, simplificar e reduzir impostos, restringir gastos com a Otan, renegociar ou sucatear acordos multilaterais e cortar orçamentos para investigação, saúde e educação ameaçam seriamente o emprego de milhões de trabalhadores e responsáveis do setor público por todo o país. Muitas das centenas de milhares dos que protestam em comícios de mulheres e manifestações pela imigração e educação são funcionários públicos e membros das suas famílias que estão sob ameaça econômica. Aquilo que superficialmente parece serem protestos sobre questões culturais específicas, de identidade ou de direitos humanos, são manifestações de uma luta mais profunda e mais extensa entre empregados do setor público e a agenda de privatizar o estado, a qual retira seu apoio de classe de pessoas de pequenos negócios atraídas por impostos mais baixos e menos sobrecargas regulatórias, bem como responsáveis de escolas privadas com financiamento governamental (“charter school”) e administradores de hospitais.

As medidas protecionistas de Trump, incluindo subsídios à exportação, contrapõem as indústrias manufatureiras internas aos importadores multibilionários de bens de consumo baratos.

As propostas de Trump para a desregulamentação do petróleo, gás, madeira, mais exportações agro-minerais e grandes investimentos em infraestrutura são apoiadas não só pelos patrões como também pelos trabalhadores destes setores. Isto provocou um conflito agudo com ambientalistas, trabalhadores e produtores com base na comunidade, povos indígenas e seus apoiantes.

O esforço inicial de Trump para mobilizar forças de classe internas opostas à contínua drenagem orçamental para a guerra além-mar e em apoio da construção do império com base em relações de mercado foi derrotado pelos esforços combinados do complexo militar-industrial, do aparelho de inteligência e dos seus apoiantes numa coligação neoconservadora-militarista com a elite política e seus apoiantes de massa.

A evolução da luta de classes aprofundou-se e ameaça dilacerar a ordem constitucional em duas direcções: O conflito pode levar a uma crise institucional e forçar a saída de um presidente eleito e a instalação de um regime híbrido, o qual preservará os programas mais reaccionários de ambos os lados do conflito de classe. Importadores, investidores e trabalhadores em indústrias extrativas, apoiantes da educação e cuidados de saúde privatizados, belicistas e membros do politizado aparelho de segurança podem tomar o controle total do estado.

Por outro lado, se a luta de classes puder mobilizar os trabalhadores do setor público, os do setor comercial, os desempregados, os democratas anti-guerra e empresários de TI progressistas e empregadores dependentes de imigrantes qualificados, bem como cientistas e ambientalistas num movimento maciço disposto a apoiar um salário digno e a unificar-se em torno de interesses de classe comuns, torna-se possível uma profunda mudança sistêmica. No médio prazo, a unificação destes movimentos de classe pode levar a um regime híbrido progressista.

[1] Apito silencioso (dog whistle): tipo de apito que emite som ultrasônico só captável por alguns animais, como cães e gatos. Foi inventado por Francis Galton em 1876.

Fonte: Resistir.info, a partir do original no Global Research

Comentários: