Brasília, 16 de dezembro de 2018 às 06:18
Selecione o Idioma:

Economia

Postado em 14/11/2018 9:48

Economista vê mão dos EUA na suspensão de bancos iranianos do sistema SWIFT

.

© Sputnik / Sergei Mamontov

A suspensão de bancos iranianos do sistema de pagamentos interbancários SWIFT evidencia que os Estados Unidos “foram desonestos”, afirmou o economista Steve Keen, da Universidade britânica de Kingston, em entrevista ao RT.

Steve Keen acredita que Washington possa ter pressionado SWIFT para que bancos iranianos fossem suspensos, incluindo o Banco Central do país persa, citado pela edição.

Por sua vez, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, indicou se tratar de “uma decisão correta para proteger a integridade do sistema financeiro internacional”.”Os EUA são grandes o suficiente para intimidar o que deveria ser um meio imparcial para transações monetárias entre países”, ressaltou Keen, acrescentando que os Estados Unidos não têm o direito de pressionar o sistema SWIFT.

“Quanto mais rápido o resto do mundo desenvolver um sistema alternativo de pagamento, que funcione com o SWIFT, mas use uma cesta de moedas como base para uma unidade de câmbio internacional, melhor será”, adicionou.

Steve Keen acredita que o país persa pagará um alto preço no futuro devido à política de Washington, que já reaplicou e acrescentou ainda mais sanções contra Teerã. Desta forma, a economia do Irã pode vir a enfrentar uma recessão substancial, sendo incapaz de receber pagamentos por exportações de petróleo que representam 60% do volume total das exportações iranianas. Segundo Keen, o não é o único país que será afetado pela política dos EUA.

Países europeus também podem vir a ter alguns problemas. Por este motivo, os líderes europeus devem criar um sistema de pagamento alternativo para evitar a imposição de sanções por parte dos EUA e manter em vigor o acordo nuclear com o Irã, apesar da saída de Washington.O economista reconhece que a suspensão de bancos iranianos do SWIFT pode acelerar a criação de um sistema de pagamento alternativo por países europeus, pela Rússia e pela China.

Comentários: