Brasília, 24 de novembro de 2017 às 04:31
Selecione o Idioma:

Oriente Médio

Postado em 07/08/2016 9:59

Erdogan promete pena de morte para milhares de presos em comício gigante em Istambul

.

Share Button
© AP Photo/ Kayhan Ozer/Presidential Press Service
Discursando para uma multidão que se reuniu neste domingo (7) na orla de Istambul para demonstrar a “unidade turca” após a tentativa de golpe ocorrida no país em meados de julho, o líder turco Recep Tayyip Erdogan prometeu restabelecer a pena de morte, que está suspensa na Turquia há mais de dez anos.
O Presidente russo Vladimir Putin e seu homólogo turco Recep Tayyip Erdogan
© SPUTNIK/ MICHAEL KLIMENTYEV
A manifestação se concentrou na área de Yenikapi. Durante sua fala altamente emocional, Erdogan prometeu limpar o país de todos os adeptos de Fethullah Gulen, um clérigo exilado nos EUA que as autoridades turcas culpam pela tentativa de golpe.
O presidente afirmou que atende as demandas do povo ao reintroduzir a pena capital para os participantes do motim, e observou que iria assinar tal lei, se o parlamento a adotar.
“Todo mundo sabe que o poder neste país, sem nenhuma dúvida, pertence ao povo, e ele [o povo] está exigindo a pena de morte”, disse Erdogan, segundo a agência de notícias turca Anadolu. “Ao mesmo tempo, a autoridade que poderia considerar tal exigência é a Grande Assembleia Nacional [Parlamento turco]. Se o Parlamento tomar a decisão, os procedimentos subsequentes são bem conhecidos. Se este processo chegar à promulgação de uma lei, eu afirmo abertamente — vou assiná-la”, acrescentou o presidente turco.
De acordo com algumas estimativas, mais de um milhão de pessoas tomaram as ruas de Istambul neste domingo. O rali também foi transmitido em grandes telões ao ar livre montados em todas as 81 províncias do país, segundo a imprensa local.
​A reunião foi assistida até mesmo pelos principais partidos da oposição, evento inédito há décadas na Turquia. O presidente do Partido Republicano do Povo, Kemal Kilicdaroglu, disse que o golpe fracassado abriu a porta para a “reconciliação” das forças políticas do país e para a emergência de uma nova “grande Turquia”.
Bandeiras da Turquia e da UE
© AP PHOTO/ ERGIN YILDIZ
Em 15 de julho, um grupo de militares rebeldes tentou derrubar o governo de Erdogan. A tentativa de golpe deixou 246 civis mortos e mais de 2.000 feridos, segundo os dados oficiais.
A última sentença de morte aplicada na Turquia foi em 1984. Duas décadas depois, Ancara aboliu a pena capital na tentativa de cumprir com as normas da União Europeia para a posterior incorporação do país ao bloco.

http://br.sputniknews.com/mundo/20160807/5969707/erdogan-pena-morte-golpe-turquia.html

Comentários: