Brasília, 18 de dezembro de 2017 às 05:51
Selecione o Idioma:

Ciência e Tecnologia

Postado em 30/05/2017 8:46

‘Galáxia-praga’ esconde estrela que pode abrigar novo sistema habitável!

.

Share Button
© NASA.
O observatório orbital Hubble conseguiu tirar fotografias extraordinárias de uma galáxia, localizada na constelação de Coma Berenices, que está se preparando para “se esconder” atrás da HD 107146 – estrela recém-nascida muito parecida com nosso Sol.
Superfície de Marte, o Planeta Vermelho, cuja atmosfera é rarefeita e a pressão sobre ela varia de 30 Pa a 1155 Pa
© FOTO: NASA/ JPL-CALTECH/MSSS
Segundo apontam cientistas da NASA, olhos humanos e telescópios observam o céu noturno e todo o Universo em modo “plano”, ou seja, não conseguimos perceber quais corpos celestes se encontram próximos a nós, e quais estão longe. Assim, alguns corpos celestes pequenos, como, por exemplo, estrelas próximas, podem esconder completamente galáxias gigantescas que são afastadas da Terra a dezenas e centenas de milhões de anos-luz.
Para ilustrar tal teoria, a estrela recém-nascida HD 107146 se encaixa perfeitamente, pois ela “esconde” uma galáxia anônima, situada na constelação de Coma Berenices. Em relação à constelação, ela é conhecida também como “praga”, pois fecha essa estrela e não permite que astrônomos a observem.
Não obstante, a estrela em questão é muito importante para os cientistas, pois apresenta um disco de gás e pó ao seu redor. A criação de planetas já foi iniciada neste disco, reforçando, assim, sua importância e a tornando um análogo jovem do Sol e do nosso Sistema Solar em geral.
​Segundo explicam planetólogos no site oficial da NASA, a luz, emitida pela “galáxia-praga”, vinha impedindo a observação da estrela desde 2004, quando foi descoberta a HD 107146 e seu “cortejo” de protoplanetas. Mas, nos últimos anos, a situação começou a mudar graças ao movimento do disco da estrela que pouco a pouco “esconde” a galáxia longínqua.
A descoberta é mais um ponto de partida para futuras buscas de zonas habitáveis no espaço.
Cérebro
No momento atual, o brilho da galáxia está iluminando pó e “embriões” de planetas. Isso permite com que os astrônomos examinem a composição de futuros planetas e revelem a existência de vida, caso exista um novo Sistema Solar.
Os cientistas da NASA sublinham haver pouco tempo para estudar a descoberta, pois a galáxia será escondida completamente atrás da estrela em 2020. Ao mesmo tempo, está sendo planejado o lançamento do sucessor do Hubble — o telescópio espacial James Webb. Há esperanças que esse telescópio nos ajude a revelar as melhores regiões espaciais para buscar planetas e sistemas parecidos aos nossos.

Sputnik

Comentários: