Brasília, 20 de agosto de 2017 às 12:23
Selecione o Idioma:

Altamiro Borges

Postado em 19/06/2017 7:47

Histeria partidária nos EUA semeia violência política

.

Share Button
 Matthew Rusling, Xinhua, Pequim
Tradução: Vila Vudu

Entreouvido na Vila Vudu:
Na China, Miriamleitões e Alexandregarcias talvez já estivessem na cadeia… Seria lindo!

Se a democracia não serve para sanear o ambiente político e tirar de circulação os principais agentes mercenários provocadores de desgraças, PARA QUE, DIABOS, serve a democracia?!
————————————————————————–

WASHINGTON, 17/6 (Xinhua) – Com o ataque a tiros, essa semana, contra um Deputado norte-americano, por um homem movido por profundo ódio contra o presidente Donald Trump, fica claro que a amarga rivalidade entre os partidos de Washington já extravasou e agora semeia violência política a mais desmedida.

Antes, na mesma semana, o Líder da Maioria na Câmara de Deputados dos EUA Steve Scalise – Republicano – foi atingido por tiros num treino de beisebol no Congresso. Segundo o noticiário, o atirador, que foi morto na sequência pela polícia, seria radical anti-Trump, profundamente abalado pela eleição do imprudente bilionário na eleição em novembro.

Observadores e especialistas dizem que o atual tumultuado ambiente político gerou um barril de pólvora político nos EUA. De fato, desde a eleição de Trump, há famílias divididas, uns não falam com outros, amigos romperam antigas amizades, por causa de divergências quanto ao rumo do país –, e Trump está sempre no centro das discussões.

Os apoiadores tinham altas esperanças para o homem que elegeram, que finalmente poria a economia novamente a andar, depois de dez anos de estagnação sob o governo anterior. Mas alguns – não todos – críticos de Trump estão tomados de histeria quase incontrolável, depois que o empresário novaiorquino assumiu a Casa Branca.

“Por mais que tiroteios contra massas sempre tenham um conjunto complexo de causas –, muitas da psique do atirador – não há dúvidas de que foi ataque político, o qual, como os investigadores parecem estar descobrindo, é desenvolvimento extremo de um ambiente político que já não é partidário, mas tribal”, como disse a Xinhua Dan Mahaffee, vice-presidente sênior e diretor de políticas do Centro de Estudo do Congresso e da Presidência.

“Nesse ambiente, já não consideramos nossas diferenças políticas sob a lente de diferenças de opinião política, mas como se o ‘outro lado’ fosse necessariamente o inimigo, a ponto de cada lado duvidar até do patriotismo do lado oposto”, disse Mahaffee.

Alguns apontaram o papel que a mídia-empresa nos EUA tem, para o que os críticos chamam de estimular o ódio anti-Trump entre a população, com, dizem os críticos, repetição insistente de boatos/opiniões irresponsáveis.

Fato é que, nesse ponto do mandato, nenhum presidente dos EUA esteve sob tempestade comparável de críticas. Outros dizem que o próprio Trump teria atraído sobre ele a fúria dos críticos, e que ainda não parou de dizer publicamente as coisas mais destemperadas.

“O tom do presidente Trump é sem precedentes. Se por um lado ele sem dúvida promove os seus pontos com discurso político que todos consideramos escandaloso, o próprio tom do presidente Trump também é reflexo de o quanto esse ambiente tribal está convertido em terreno fértil para as falas mais incendiárias e provocativas de políticos, especialistas ‘midiáticos’ e da mídia partidarizada” – Mahaffee continuou.

Resta saber se o tiroteio servirá como sinal de alerta para que os norte-americanos baixem o volume das discussões políticas tão tribalmente partidarizadas.

“Esperemos que esse evento sirva para fazer baixar a febre – talvez não em termos do desacordo político, mas em termos de como nós mesmos vemos nossos compatriotas norte-americanos que têm opinião divergente da nossa…” – disse Mahaffee.

“Isso posto” – Mafaffee concluiu –, “é dever de todos que acreditam na civilidade e no diálogo, estender a mão para o outro lado e cuidar de desarmar todas as vozes de violência e radicalismo político, tanto na extrema esquerda como na extrema direita. Essas vozes hoje prosperam perigosamente tanto nas mídias sociais quanto nos veículos da mídia-empresa também fortemente partidarizados”.*****

 

Comentários: