Brasília, 22 de maio de 2019 às 01:59
Selecione o Idioma:

Bolívia

Postado em 19/01/2016 5:48

Integração indígena marca êxito do governo da Bolívia, diz Linera

.

Com a criação do Estado Plurinacional os indígenas foram integrados à política e passaram a entrar “pela porta grande”, afirmou o vice-presidente, Álvaro García Linera (Foto: Jorge Medina)
O vice-presidente da Bolívia, Álvaro García Linera, falou neste domingo (17) em rede nacional de TV sobre os êxitos do governo e do processo Revolucionário Democrático e Cultural desenvolvido no país nos últimos anos. Segundo ele, a integração dos povos indígenas à politica e a nacionalização dos hidrocarbonetos são duas grandes marcas deste período.
Com a criação do Estado Plurinacional os indígenas foram integrados à política e passaram a entrar “pela porta grande”, afirmou o vice-presidente, Álvaro García Linera

“Os indígenas entraram na politica pela porta grande, são o poder, há que melhorar, é obvio, ainda falta maior participação dos indígenas das terras baixas, o empoderamento aconteceu fundamentalmente nos das terras altas, os aymaras e quechuas”, explicou.

Para Linera, o empoderamento indígena obtido na última década é uma vitória, mas ainda há muito por avançar nos municípios menores e mais distantes da capital, La Paz. Segundo ele o horizonte plurinacional é baseado em três pilares: igualdade dos povos, reconhecimento dos povos indígenas originários e economia plural e autonomia.

Linera afirmou ainda que depois da integração dos povos indígenas, a nacionalização do hidrocarboneto foi uma grande conquista boliviana, assim como a consolidação do país internacionalmente e a vitória na corte internacional de Haya pelo direito à saída soberana para o mar.

“Somos a revolução descolonizadora mais importante do século 21, similar à descolonização que aconteceu na África do Sul nos tempos de Nelson Mandela, só que lá esta revolução custou 80 mil mortos e na Bolívia custou enfrentamento, o fizemos com democracia, o que eu qualifico como a via democrática para o socialismo”.

Do Portal Vermelho, com Prensa Latina

Comentários: