Brasília, 16 de dezembro de 2017 às 03:54
Selecione o Idioma:

Oriente Médio

Postado em 29/11/2017 4:05

Kerry: Israel, Egito e sauditas queriam bombardeio contra Irã antes do acordo nuclear

.

Share Button
© Sputnik/ Mikhail Palinchak

Os líderes de Israel, Arábia Saudita e Egito pressionaram os EUA para bombardear o Irã antes das negociações sobre o acordo nuclear de 2015, disse o ex-secretário de Estado norte-americano, John Kerry. Ele descreveu a proposição como uma “armadilha de muitas maneiras” para Washington.

Kerry, que presidiu o Comitê de Relações Exteriores do Senado dos EUA antes de dirigir o corpo diplomático dos EUA em 2013, lembrou como conheceu o rei saudita Abdullah, o presidente egípcio Hosni Mubarak e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na qualidade de legislador. Os três líderes o pressionaram por ação militar contra o Irã.

“Cada um deles me disse: você tem que bombardear o Irã, é a única coisa que eles vão entender”, disse.

“Eu lembro dessa conversa com o presidente Mubarak. Olhei para ele e disse: ‘é fácil para você dizer. Nós vamos bombardeá-los e eu aposto que você será o primeiro cara lá no próximo dia para nos criticar por fazê-lo’. E ele foi: ‘Claro, ha-ha-ha-ha!'”, relembrou Kerry. “Foi uma armadilha de muitas maneiras. Mas, mais importante ainda, o primeiro-ministro Netanyahu estava genuinamente agitado para a ação”.

Não ficou claro quando as reuniões mencionadas por Kerry ocorreram. Ele presidiu o comitê em 2009. Mubarak foi deposto em fevereiro de 2011, enquanto o rei Abdullah morreu em janeiro de 2015.

Kerry, que fazia parte de um painel de especialistas em um fórum de redução de armas nucleares realizado na Catedral Nacional de Washington na terça-feira, aproveitou a ocasião para defender o acordo nuclear de 2015 com o Irã, que ele ajudou a negociar. O acordo, no qual a Rússia também foi um importante negociador, colocou restrições à indústria nuclear iraniana em troca do levantamento das sanções econômicas da ONU, EUA e da União Europeia (UE) contra Teerã.

Kerry disse que sem o acordo, a Arábia Saudita, a Turquia e o Egito provavelmente estarão desenvolvendo armas nucleares próprias na atualidade, enquanto um conflito militar com o Irã seria uma possibilidade muito provável.

Demagogia de Trump

O ex-diplomata dos EUA ainda criticou o presidente Donald Trump por tentar prejudicar o acordo. Durante a campanha eleitoral, o candidato republicano repetidamente chamou o acordo de “ruim” e ameaçou destruí-lo uma vez eleito.

“Esse foi um flagrante apelo político simplista para a comunidade judaica americana. Isso era tudo o que era, porque a maioria dessas pessoas não tinha lido o acordo”, disse Kerry, acrescentando que a retórica “poluiu a água” para a diplomacia americana.

Trump já se recusou a recertificar o acordo, argumentando que os EUA obtiveram desproporcionalmente poucos benefícios dele e encaminharam o documento aos legisladores dos EUA. O movimento foi criticado por outras nações signatárias, que criticaram Washington por comprometer o acordo histórico, com Kerry se inscrevendo durante o painel.

Kerry disse que não tinha certeza do resultado positivo que a administração Trump poderia esperar ao “dar o acordo nuclear ao Congresso para corrigir”, acrescentando que qualquer “conserto” sugerido para o acordo seria percebido em Teerã como “um esforço de bastidores para matar o acordo”.

O ex-secretário de Estado sugeriu que Washington não deveria fazer o acordo nuclear como refém em qualquer outra diferença que tenha ocorrido com Teerã, seja o desenvolvimento de mísseis iranianos, os laços com o Hezbollah ou os rebeldes Houthi no Iêmen. Ele disse que a única razão pela qual as sanções relacionadas ao míssil contra o Irã não foram levantadas no âmbito do acordo se deveu à enviada dos EUA à ONU, Samantha Powers, que “muito inteligentemente os deteve no último minuto […] e ninguém realmente percebeu isso”.

A Arábia Saudita atacou Teerã em várias ocasiões recentemente, mesmo comparando o líder supremo do Irã, Aiatolá Khamenei, com Adolf Hitler. Teerã respondeu dizendo que era Riad que causa tensões e “guerra de retribuição” na região

Comentários: