Brasília, 19 de outubro de 2017 às 04:31
Selecione o Idioma:

Oriente Médio

Postado em 03/10/2017 10:21

Mulheres combatentes curdas: vamos lutar até que Daesh seja eliminado

.


Warning: Illegal string offset 'filter' in /home1/patri590/public_html/patrialatina.com.br/wp-includes/taxonomy.php on line 1372
Share Button
© Sputnik. Sara Nureddin

As tropas peshmerga do Partido da Liberdade do Curdistão deslocadas em Kirkuk estão combatendo contra o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia). O correspondente da Sputnik Turquia falou com as mulheres curdas que pegaram em armas para combater os terroristas no noroeste de Kirkuk.

Há três anos que as mulheres das forças peshmerga estão lutando contra o Daesh em Mossul, Sinjar e Kirkuk. A maioria das mulheres entrevistadas são jovens que durante vários anos estão combatendo em condições de igualdade com os homens. Elas falaram sobre como decidiram pegar em armas e sobre a luta contra o Daesh no território do Iraque.De acordo com Hebas Galat de 20 anos, ela chegou a Kirkuk para lutar contra os terroristas.

“Sou do Curdistão iraquiano. Vim para cá para lutar contra os terroristas do Daesh que estão matando os civis. Quero vingar os curdos mortos na luta contra esse mal. Há dois anos que estou nas forças peshmerga. As combatentes peshmerga estão na linha de frente, em condições de igualdade com os homens. Mas não temos medo, pelo contrário, os terroristas do Daesh estão com medo de nós”, declarou ela ao correspondente da Sputnik Turquia.

Uma outra combatente peshmerga, Kazlava Resho, quer defender as mulheres e libertar as áreas ocupadas pelo Daesh.”Enquanto existe o Daesh ninguém pode estar seguro, porque é uma organização terrorista internacional. Nós, mulheres das forças peshmerga do Partido da Liberdade do Curdistão, vamos lutar contra o Daesh até o fim”, disse ela.

Weran Hesiniya, por sua vez, disse que aderiu às forças peshmerga para vingar as mulheres de Sinjar. A cidade foi ocupada por militantes do Daesh em 2014. Milhares de mulheres e crianças foram capturadas e centenas foram mortas por terroristas.

“Há três anos o Daesh fez uma carnificina horrível em Sinjar. Os terroristas cometeram crimes graves em relação às nossas irmãs. Estou lutando contra o Daesh para vingar as mulheres e crianças de Sinjar. Durante esse tempo conseguimos obter alguns sucessos. Eliminamos muitos terroristas. As combatentes peshmerga vão lutar e defender os territórios curdos até que o Daesh seja eliminado”, afirmou a mulher.

Centenas de mulheres chegaram dos distritos fronteiriços do Iraque para defender o Curdistão iraquiano e libertar as áreas ocupadas pelo Daesh. Desde 2014, as mulheres têm tido treinamentos intensos antes e depois de seu serviço ativo.

Comentários: