Brasília, 18 de novembro de 2018 às 04:46
Selecione o Idioma:

Colunistas

Postado em 02/11/2018 8:13

Não toquem nas reservas internacionais

.

Mauro Santayana

(Da equipe do blog) – Depois de o governo Temer ter detonado com mais de 200 bilhões de reais deixados pelo governo Dilma nos cofres do BNDES, criminosamente esterilizados com sua devolução “antecipada” ao Tesouro – quando havia um prazo de 30 anos para serem pagos – no lugar de tê-los
investido em infraestrutura para a a geração de renda e emprego e a retomada de obras paralisadas – muitas dela pela justiça- chegou a hora do Presidente do Itaú, banco que lucrou mais de 20 bilhões de reais neste ano, propor a “saudável” diminuição das reservas internacionais do país – também economizadas pelo PT – para “diminuir” a dívida pública brasileira, que já é das mais baixas entre as 10 maiores economias do mundo.

Ora, não é preciso ser Mandrake para saber que diminuir a poupança nacional é saudável para os banqueiros.

A alegação de que o país precisa contrair dívida para manter as reservas e que o PT teria aumentado a dívida pública para criá-las é furada e uma das principais fake news criadas contra o Partido dos Trabalhadores – uma agremiação  absolutamente incompetente do ponto de vista de comunicação –  nos últimos anos.

A dívida bruta quando o PT chegou ao poder, em 2002, e o país devia 40 bilhões de dólares ao FMI, era de 80% do PIB e quando Dilma saiu, em 2015, estava em 65%.

Logo, a balela de que manter as reservas aumenta a dívida – que repassa dezenas de bilhões de reais a bancos como o Itaú todos os anos – é tão falsa quanto aquela que diz que o PT, que deixou quase dois trilhões de reais para o país em caixa, apenas de reservas internacionais e nos cofres do BNDES, quebrou o país que pegou na décima-terceira economia do mundo e que devolveu na oitava posição, em 2015, em quarto lugar entre os principais credores individuais externos dos Estados Unidos.

Basta ver a situação da Argentina, obrigada a voltar a passar penico para o FMI, para aferir o tamanho da incompetência neoliberal e lembrar que cautela, reservas internacionais e canja de galinha não fazem mal a ninguém – como diria Tancredo.

Comentários: