Brasília, 21 de abril de 2019 às 23:52
Selecione o Idioma:

México

Postado em 19/01/2019 5:45

Número de mortos na explosão em oleoduto no México sobe para 66

.

© AFP 2018 / Francisco Villeda

Sputnik

O número de vítimas da explosão em oleoduto no México durante a noite subiu para 66 e outras 76 pessoas ficaram feridas, entre elas há feridos em estado muito grave, disse o governador do estado de Hidalgo, Omar Fayad, em uma coletiva.

“A informação que recebemos pouco antes de chegarmos à coletiva de imprensa é de 66 mortos e 76 feridos, entre eles há pessoas em estado grave e muito grave”, afirmou o governador, cuja declaração foi divulgada no Twitter.

Entre as vítimas há sete jovens com menos de 18 anos e um menino de 12 anos, acrescentou. Uma poderosa explosão seguida de incêndio ocorreu na sexta-feira (18) à noite no grande oleoduto de Tuspan-Tula, no estado mexicano de Hidalgo, em um momento em que centenas de pessoas estavam roubando combustível.

Eu expresso minhas condolências às famílias dos falecidos. Daremos de forma coordenada e conjunta todo o apoio necessário aos feridos. Estou reconhecido à mídia e agradeço ao presidente por seu apoio

A petroleira estatal mexicana Pemex confirmou oficialmente que a explosão em um oleoduto no estado de Hidalgo foi resultado de uma ligação ilegal. As pessoas chegavam ao local do vazamento ou entravam intencionalmente com latas e as enchiam quando a explosão ocorreu.

Desde o início do ano, o novo governo mexicano está realizando uma estratégia para combater os roubos de petróleo. As autoridades paravam de bombear combustível através de vários oleodutos de uma só vez para combater as ligações ilegais, através das quais a gasolina é roubada, e mudaram para o fornecimento de combustível sobretudo por caminhões-tanque.

Além disso, para todas as refinarias e instalações estratégicas do sistema de transporte foram enviadas tropas. Tudo isso já levou a sérios transtornos no fornecimento de gasolina aos postos de gasolina e causou muitas horas de espera nos postos de abastecimento.

Comentários: