Brasília, 20 de novembro de 2018 às 12:52
Selecione o Idioma:

Papo do Dia:

Meio Ambiente

Postado em 08/01/2018 2:53

O custos econômicos das mudanças climáticas na América Latina e Caribe

.

Por Geovanny Vicente Romero

A América Central e o Caribe são consideravelmente vulneráveis ​​ao impacto das mudanças climáticas. É uma área que está começando a sentir os efeitos das mudanças climáticas diretamente e está ameaçada pelo ressurgimento de doenças já consideradas erradicadas, bem como a persistência de outras doenças tropicais como a dengue e a malária.

A América Latina e o Caribe são áreas do mundo cuja emissão de poluentes é de apenas 9% de acordo com dados da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL). No entanto, a América Central e o Caribe são consideravelmente vulneráveis ​​ao impacto das mudanças climáticas. É uma área que já está começando a sentir os efeitos das mudanças climáticas diretamente e está ameaçada pelo ressurgimento de doenças já consideradas erradicadas, bem como a persistência de outras doenças tropicais como a dengue e a malária.

Enquanto o mundo continua a lutar pela erradicação da pobreza, devemos garantir que a produção agrícola dos países não seja afetada de forma esmagadora pelos fenômenos naturais. Por ocasião da celebração do dia da eliminação da pobreza, perguntei ao ex primeiro-ministro da Nova Zelândia, Helen Clark, sobre a fórmula para acabar com este problema. Clark, através da sua conta oficial do Twitter, o @HelenClarkNZ sinalizou: “Uso de transferências de dinheiro, criação de emprego e educação gratuita”. Para essa equação de três, gostaria de investir na segurança alimentar. Precisamente é o que a América Latina representa, a garantia alimentar mundial devido à vasta extensão de terras cultiváveis ​​que tem, com um quarto da terra agrícola do planeta e um terço de água doce.

Para alguns, as mudanças climáticas deixaram de ser uma história de fábula, já que os argumentos contra eles acabaram. Organizações internacionais há muito tempo colocaram a necessidade de agir imediatamente. Esse efeito gerado pelas emissões já está causando temperaturas mais altas, invernos mais frios e verões mais quentes, inundações, secas, furacões de trajetórias imprevisíveis e mais ferozes, bem como o desaparecimento de algumas praias.

De acordo com dados da CEPAL 2014, se a temperatura aumentar em 2,5 graus Celsius em relação à média histórica, a carga econômica das mudanças climáticas poderia representar entre 1,5% e 5% do PIB da região. No entanto, os custos gerados pelas medidas de adaptação às mudanças climáticas poderiam representar valores abaixo de 0,5% do PIB da região. Aqui é muito claro que a prevenção tem um custo muito baixo em comparação com o causado pelo fenômeno. Com o conhecimento destes dados, é urgentemente necessário um maior investimento em energias renováveis ​​e infra-estruturas sustentáveis, juntamente com o cumprimento do compromisso assumido no Acordo de Paris para um modelo de desenvolvimento sustentável.

O grande desafio é que a mudança climática é um fator transversal para todos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (SDGs), de modo que nossa inação diante desse flagelo compromete a realização dos objetivos propostos para a Agenda 2030. ODS # 13 Chamada à ação para o clima, enquanto o # 6 requer água limpa e saneamento, mas # 7 nos pede para investir em energia acessível e limpa. Por outro lado, o # 9 defende inovação e infra-estrutura e # 12 para produção e consumo responsáveis. O Acordo de Paris nos ensina o que o último objetivo da lista diz, # 17, sem a aliança estratégica é impossível atingir os 16 objetivos anteriores.

Em Fiji, no âmbito da COP23, o nome da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas 2017 (UNFCCC), foi lançada uma iniciativa que proporcionará recursos e assistência técnica às pequenas ilhas que são estados em desenvolvimento. É uma aliança entre a Organização Mundial de Saúde (OMS), COP23 e UNFCCC. O diretor-geral da OMS, Dr. Tedros Adhanom, indicou que “eles estão lançando a iniciativa dessas pequenas ilhas em desenvolvimento porque são elas que suportarão desproporcionalmente o peso da mudança climática”. O objetivo é que essas ilhas aprendam a entender e gerenciar os efeitos negativos sobre a saúde. Ilhas como Puerto Rico e Dominica são exemplos da vulnerabilidade da região aos fenômenos naturais, como furacões. (Thinking Americas-TeleSur)

http://www.pensandoamericas.com/el-costo-economico-del-cambio-climatico-en-latinoamerica-y-el-caribe-0

Comentários: