Brasília, 26 de julho de 2017 às 19:52
Selecione o Idioma:

Brasil

Postado em 22/06/2017 6:53

Amazônia está abandonada, diz comandante do Exército

.

Share Button
Participando nesta quinta-feira de uma de audiência pública na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado, o general Eduardo Villas Bôas – comandante do Exército brasileiro – disse que o país é uma nação sem consciência da sua própria grandeza e das riquezas presentes em seu território.

O maior exemplo disso, nas palavras de Villas Bôas, é a Amazônia, um território que o Exército estima possuir um patrimônio de riquezas naturais da ordem de US$ 23 trilhões. O general destacou que não há nenhum projeto em andamento na região e que “o Brasil é grande demais pra abrir mão de um projeto nacional”.

“É exatamente isso. O Brasil é um superdotado num corpo de adolescente. A Amazônia continua praticamente abandonada, falta um projeto e densidade de pensamento”, afirmou Villas Bôas.

O militar concordou com a opinião de alguns parlamentares, como o senador Roberto Requião (PMDB-PR), que consideram que o governo do presidente Michel Temer (PMDB) possui um viés “entreguista”, ou seja, que abdica da soberania nacional em prol da entrada de grupos poderosos no país, em setores importantes.

“O Brasil está à deriva, sem rumo”, sentenciou o comandante do Exército brasileiro.

“Se fôssemos um país pequeno, poderíamos nos agregar a um projeto de desenvolvimento de um outro país. Como ocorre com muitos. Mas o Brasil não pode fazer isso, não temos outra alternativa a não ser sermos uma potência. Não uso esse termo na conotação negativa, relacionada a imperialismo, mas no sentido de que necessitamos de uma densidade muito grande”, emendou.

Falando em imperialismo, o general mostrou-se preocupado ainda com o avanço de mineradoras em busca da exploração do potencial amazônico neste setor. O comandante do Exército se mostrou contrário à venda de terras em regiões de fronteira e viu, com base em estudos militares, uma correlação entre demarcações de terras indígenas e áreas com potencial exploratório.

Villas Bôas ressaltou ainda que viveu na região amazônica por oito anos e afirmou acreditar que só o desenvolvimento poderá salvar a região dos interesses de outros grupos – a maioria deles estrangeiros.

“O que vai salvar a região amazônica, inclusive a natureza, é o desenvolvimento. É a implantação de polos intensivos para empregar aquela grande mão de obra, impedindo que ela vá viver do desmatamento extensivo”.

Exército e segurança pública

O general Villas Bôas ainda falou sobre as dificuldades do Exército neste ano. Embora possua dotações anuais de R$ 2 bilhões, os repasses previstos para 2017 são de R$ 767 milhões. A diferença acaba não inviabilizando as operações dos militares, mas dificulta o desenvolvimento de novos projetos – o que, de acordo com ele, impacta no próprio desenvolvimento do país.

“No que se refere a esta questão momentânea, o governo está atento e creio que os problemas imediatos serão resolvidos. Mas na área da Defesa, mais importante até do que o valor anual das dotações é o orçamento ao menos ser previsível. Não é possível definir um valor na peça orçamentária, a gente se estruturar e depois já vem uma interrupção”, disse.

Defensor do Sistema Integrado de Monitoramento das Fronteiras (Sisfron), Villas Bôas afirmou que o problema de segurança pública vivido pelo Brasil passa justamente pela falta de investimentos na área militar, algo que permitiria uma melhora no atual cenário de “descalabro” observado nas principais cidades do país.

“A qualidade de vida do brasileiro e sua liberdade é fortemente afetada por esse descontrole [das fronteiras]. Hoje convivemos passivamente com mais de 60 mil assassinatos por ano, outros 20 mil desaparecidos, mais de 100 estupros por dia, somados a incalculáveis danos ao patrimônio”, comentou o general.

O comandante do Exército disse considerar ainda “desgastante, perigoso e inócuo” o uso das Forças Armadas na segurança urbana, como frequentemente acontece em áreas violentas do Rio de Janeiro, ou mais recentemente durante protestos em Brasília. Embora o artigo 142 da Constituição preveja o uso de tal expediente, Villas Bôas afirmou que é algo que deveria ser repensado.

“Nós não gostamos desse tipo de emprego. Não gostamos”, completou.

 Sputnik

Comentários: