Brasília, 20 de novembro de 2018 às 12:55
Selecione o Idioma:

Papo do Dia:

Economia

Postado em 07/07/2018 9:37

Por quanto tempo o banco central dos EUA poderá adiar o inevitável?

.

por Paul Craig Roberts [*]

Quando irão as grandes empresas transnacionais dos EUA e representantes da Wall Street sentar-se com o Presidente Trump e explicar-lhe que a sua guerra comercial não é com a China, mas com eles próprios? A maior parte do défice na balança comercial dos EUA com a China é produção deslocalizada de transnacionais dos EUA. Quando estas transnacionais trazem o que produzem na China para o mercado dos EUA, os produtos são classificados como importações da China.

Há seis anos, quando escrevia The Failure of Laissez Faire Capitalism , cheguei à conclusão evidente que metade das importações dos EUA a partir da China consiste em produção deslocalizada de empresas norte-americanas. As deslocalizações são um benefício substancial para as empresas norte-americanas devido aos custos laborais e custos de contexto muito mais baixos. Lucros, bónus para os dirigentes e ganhos de capital dos acionistas, receberam um grande impulso com as deslocalizações. Os custos destes benefícios para poucos caíram sobre os muitos – os ex-empregados norte-americanos que anteriormente tinham um rendimento de classe média e expectativas para seus filhos.

No meu livro mencionei a evidência de que durante a primeira década do século XXI “os EUA perderam 54 621 fábricas, e o emprego industrial reduziu-se em 5 milhões de trabalhadores. Ao longo da década, o número de fábricas maiores (aquelas que empregam 1 000 ou mais empregados) diminuiu 40%. Fábricas empregando 500 a 1.000 trabalhadores diminuíram 44%; aquelas que empregam entre 250 a 500 trabalhadores diminuíram 37%, e aqueles que empregam entre 100 a 250 trabalhadores reduziram-se em 30%. Estas perdas são líquidas de criação de novas empresas. Nem todas as perdas são devido às deslocalizações, algumas são o resultado de falências” (p. 100).

Por outras palavras, em termos mais simples e claros, milhões de americanos perderam seus empregos de classe média não porque a China agiu injustamente, mas porque empresas americanas traíram o povo americano e exportaram os seus empregos. “Tornar a América novamente grande” significa lidar com estas empresas, não com a China. Quando Trump aprender isto, supondo que alguém lho dirá, irá recuar em relação à China e empreender alguma ação relativamente às transnacionais norte-americanas?

A perda de empregos de classe média teve um efeito terrível sobre as esperanças e expectativas dos norte-americanos, a economia dos EUA, as finanças das cidades e Estados e, deste modo, a sua capacidade de cumprir obrigações quanto aos reformados e prestação de serviços públicos na base dos impostos para a Segurança Social e Medicare, ameaçando assim, estes elementos importantes do consenso americano.

Em suma, a elite empresarial gananciosa tirou benefícios para ela própria a um custo enorme para o povo americano e para a estabilidade económica e social dos Estados Unidos.

A perda do emprego devido às deslocalizações também teve um impacto enorme e terrível sobre a política do Federal Reserve (banco central). O declínio do crescimento do rendimento provocou a estagnação económica dos EUA. O Federal Reserve sob Alan Greenspan promoveu uma expansão do crédito ao consumo necessário para a falta de crescimento assente no rendimento dos consumidores, a fim de manter a procura agregada. Em vez de aumentos salariais, Greenspan baseou-se num aumento da dívida dos consumidores para acelerar a economia.

A expansão do crédito e o consequente aumento dos preços dos imóveis, juntamente com a desregulamentação do sistema bancário, especialmente a revogação da lei Glass-Steagall, produziram a bolha imobiliária, fraude e produtos financeiros derivados de hipotecas que deram origem à crise financeira de 2007-08.

O Federal Reserve respondeu à crise não caucionando a dívida dos consumidores, mas caucionando a dívida onde ela fora constituída – nos grandes bancos. O Federal Reserve deixou falir os bancos pequenos para serem comprados pelos grandes, aumentando ainda mais a concentração financeira. O aumento de vários milhões de milhões de dólares no balanço do Federal Reserve fez-se inteiramente em benefício de um punhado de grandes bancos. Nunca antes na História uma agência do governo dos EUA havia agido tão decisivamente a favor de apenas uma classe de proprietários.

A forma como o Federal Reserve salvou os grandes bancos irresponsáveis, que deveriam ter falido e ser fechados, foi a de aumentar os preços dos ativos problemáticos na contabilidade dos bancos, reduzindo as taxas de juro. Para ficar claro, as taxas de juro e os preços dos títulos financeiros movem-se em direções opostas. Quando as taxas de juro são reduzidas pelo Federal Reserve, que o consegue através da compra de instrumentos de dívida, os preços daqueles títulos sobem. Como os vários riscos de dívida se movem conjuntamente, com taxas de juro mais baixas os preços de todos os instrumentos de dívida sobem, mesmo aqueles com problemas. O aumento dos preços dos títulos de dívida produziu desta forma balanços solventes para os grandes bancos.

Para alcançar o seu objectivo, o Federal Reserve tinha de reduzir as taxas de juro a zero, o que mesmo com a baixa inflação verificada dava origem a taxas de juros negativas. Essas taxas tão baixas tiveram consequências desastrosas. Por um lado, baixas taxas de juro provocam todo tipo de especulações. Por outro lado, baixas taxas de juro privaram os reformados dos seus rendimentos de poupanças forçando-os a retirar capital, reduzindo assim a riqueza acumulada entre os 90% da população. A taxa de inflação subavaliada também negou aos aposentados da Segurança Social ajustes no seu nível de vida forçando-os a gastar do seu capital.

As taxas de juro baixas também incentivaram administradores de grandes empresas a pedir dinheiro emprestado a fim de comprar ações da própria empresa e, assim, elevar o seu preço e consequentemente os bónus e opções de ações dos executivos e membros dos Conselhos de Administração bem como ganhos de capital para os acionistas. Por outras palavras, as empresas endividaram-se para o benefício de curto prazo de executivos e acionistas. As empresas que se recusavam a participar deste golpe foram ameaçadas pela Wall Street com tomadas de controle (takeovers).

Por conseguinte, atualmente a combinação da política do Federal Reserve com a de deslocalização de empresas deixou os EUA numa situação em que todos os aspectos da economia estão endividados – consumidores, governos, em todos os seus níveis, e empresas. Um estudo recente do Federal Reserve concluiu que os americanos estão tão endividados e tão pobres que 41% da população americana não pode obter 400 dólares sem pedir emprestado à família ou a amigos ou vender bens pessoais.

Um país com uma população tão endividada deixou de ter mercado consumidor. Sem um mercado consumidor, não há crescimento económico, além dos falsos números orquestrados pelo governo dos EUA subavaliando a taxa de inflação.

Sem crescimento económico, consumidores, empresas, governos federais, estaduais e locais não podem pagar as suas dívidas e cumprir as suas obrigações.

O Federal Reserve aprendeu que pode manter a boiar este esquema Ponzi que é a economia dos EUA através da impressão de moeda com a qual suporta preços de activos financeiros. A alegada ascensão das taxas de juro pelo Federal Reserve não é uma ascensão real. Mesmo a taxa de inflação subavaliada é mais alta do que os aumentos da taxa de juro, com a resultante de que a taxa de juro real cai. Se o mercado de acções tentar vender barato, antes de isto provocar muito dano o Federal Reserve intervém e compra S&P futures , elevando assim os preços das acções.

Normalmente, tanta criação de moeda pelo Federal Reserve, especialmente em conjunto com um nível tão alto de dívida do governo federal e também dos governos estaduais e locais, consumidores e empresas, provocaria uma diminuição taxa de câmbio do dólar americano. Por que é que isto ainda não aconteceu?

Por três razões. Uma é que os bancos centrais das outras três moedas de reserva – o Banco Central do Japão, o Banco Central Europeu e o Banco de Inglaterra – também estão a imprimir dinheiro. As suas “quantitative easing”, que ainda continuam, compensam os dólares criados pela Reserva Federal e evitam a depreciação do dólar dos EUA

Uma segunda razão é que quando a suspeição do valor do dólar eleva o preço do ouro, o Federal Reserve ou os seus bancos autorizados a actuar no ouro curto-circuitam futuros de ouro com contratos a descoberto. Isto faz baixar o preço do ouro. Existem numerosos artigos no meu site, meus e de Dave Kranzler, provando ser este o caso. Não há dúvidas acerca disto.

A terceira razão é que os gestores de dinheiro, indivíduos, fundos de pensões, todos e tudo o resto preferem obter ganhos do que deixar de o fazer. Portanto, eles deixam-se ir no esquema Ponzi. As pessoas que não beneficiaram deste esquema na década passada foram aqueles que compreendiam o que era um esquema Ponzi, mas não compreenderam a corrupção que tem assolado o Federal Reserve e a capacidade e vontade deste banco central para continuar a alimentar o esquema Ponzi.

Como expliquei anteriormente, o esquema de Ponzi desmorona quando se torna impossível continuar a apoiar uma moeda tão sobrecarregada como está o dólar devido aos níveis de dívida e abundância de dólares que poderiam ser despejados nos mercados cambiais.

É por isso que Washington está determinada a manter sua hegemonia. É a hegemonia de Washington sobre o Japão, Europa e Reino Unido que protege o esquema Ponzi dos EUA. No momento em que um destes bancos centrais deixar de apoiar o dólar, os outros seguem-no e o esquema Ponzi poderia desabar. Se os preços de dívida e ações fossem reduzidos aos seus valores reais, os Estados Unidos já não teriam lugar nas fileiras das potências mundiais.

O que isto implica é que guerra, e não reforma económica, é o mais provável futuro dos EUA.

Num texto posterior espero explicar por que razão nenhum partido político dos EUA tem a consciência e a capacidade para tratar de problemas reais.

Do mesmo autor:

A intervenção do banco central serve os Um Porcento (acerca do preço do ouro)

O assalto do Fed ao ouro

A manipulação do mercado do ouro pelo Fed

 

[*] Foi secretário do Tesouro assistente dos EUA para política económica e editor associado do Wall Street Journal. Foi colunista da Business Week, Scripps Howard News Service e Creators Syndicate. Seus livros mais recentes são The Failure of Laissez Faire Capitalism and Economic Dissolution of the West , How America Was Lost e The Neoconservative Threat to World Order .

O original encontra-se em www.informationclearinghouse.info/49718.htm

Este artigo encontra-se em https://resistir.info/ .

Comentários: