Brasília, 19 de junho de 2018 às 16:10
Selecione o Idioma:

Argentina

Postado em 11/05/2018 10:16

Povo argentino toma as ruas: fora, Macri! Fora, FMI!

.


Warning: Illegal string offset 'filter' in /home1/patri590/public_html/patrialatina.com.br/wp-includes/taxonomy.php on line 1372
Share Button
Fracasso neolibelista faz Argentina se ajoelhar aos banqueiros
argentinasdasaas.jpg

Manifestante em frente ao Congresso Nacional, em Buenos Aires, rejeita submissão argentina aos banqueiros do FMI nesta quarta-feira, 9/V. Crédito: Leonardo Miazzo

Milhares de trabalhadores e trabalhadoras da Argentina tomaram as ruas em torno do Congresso Nacional, em Buenos Aires, na tarde desta quarta-feira, 9/V, para gritar “não” aos tarifaços impostos pelo Governo de Maurício Macri e à volta do país ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

Em 2018, a taxa de inflação na Argentina vai ficar acima dos 20%. O preço do gás natural subiu mais de 50% em abril, o custo da eletricidade disparou mais de 40% e, em uma mesma semana, o Banco Central elevou três vezes a taxa de juros para tentar conter a desvalorização do peso frente ao dólar (em vão, claro).

É mais um fracasso da política neolibelista.

Não bastasse isso, o Presidente Macri anunciou na terça-feira 8/V que, depois de 12 anos, a Argentina voltará a se ajoelhar perante o FMI.

Em troca, como já era de se esperar, o FMI exige um pacote ainda mais duro de austeridade e a aprovação de reformas (sic), como a trabalhista.

“A volta da Argentina ao FMI é um grande fracasso que demonstra, às claras, o que o nosso país enfrenta por parte do Governo. Recorrer ao FMI novamente é entregar os interesses e a vontade do povo a um organismo internacional. A Argentina e o seu povo pagaram um preço muito alto para sair justamente de todas as condições que o FMI sempre impõe às economistas emergentes, como a Argentina”, afirmou, em entrevista exclusiva ao Conversa Afiada, Victor Santa Maria, sindicalista peronista e dono do jornal Pagina 12 (o único diário progressista na Argentina).

Na prática, a solicitação de crédito que a Argentina fez ao Fundo é no modelo stand-by, ou seja, está condicionada a um conjunto de contrapartidas. A entrega desses recursos será feita em parcelas, que dependem de análises e revisões feitas pelos banqueiros.

Por tudo isso, trabalhadores (sindicalizados ou não), estudantes e cidadãos de todas as idades tomaram as ruas que desembocam no prédio do Congresso Nacional.

Conversa Afiada esteve na manifestação e oferece ao amigo navegante algumas imagens e depoimentos que a reportagem colheu:

Leonardo Miazzo

Comentários: