Brasília, 18 de setembro de 2018 às 14:18
Selecione o Idioma:

Cultura

Postado em 15/12/2017 10:10

Seis estações de trem de Moscou que são templos de arte, arquitetura e história

.

Desde o final do século 19, Moscou é o centro da ampla rede ferroviária russa. A história das principais estações de trem da cidade, construídas principalmente nos séculos 19 e 20, está intimamente entrelaçada com a do desenvolvimento do país.
  1. Kievsky (lê-se Kíevski)

O local da atual estação ferroviária Kievsky está relacionado com transporte de passageiros há muito tempo. No final do século 16, Dorogomilovskaya Sloboda era lar de pessoas que trabalhavam com carruagens puxadas a cavalos. Desse modo, a escolha do lugar para uma estação ferroviária ligando Moscou a Briansk, Voronej e Kiev no final da década de 1890 não foi surpresa para ninguém.

O atual edifício foi concebido como um monumento para marcar o 100º aniversário da vitória da Rússia na campanha de 1812 contra Napoleão. O projeto começou em 1912, quando o antigo prédio da estação, que durou menos de duas décadas, foi derrubado. Rezava a lenda que os moscovitas odiavam a antiga estação, comparando-a com uma cabana de aldeia e zombando da mesquinharia da companhia ferroviária.

O prédio, que mistura elementos do estilo império e neoclassicismo, foi projetado pelo arquiteto Ivan Rerberg. A parte mais inovadora da estação – um telhado arqueado de vidro sobre a plataforma – é obra do renomado engenheiro Vladimir Chukhov, que é mais famoso pela torre de TV no centro de Moscou com seu nome.

A construção começou em maio de 1914, algumas semanas antes do início da Primeira Guerra Mundial, e prosseguiu durante toda a Revolução de 1917, sendo, enfim, concluída em 1920. A estação era originalmente chamada Brianski, mas seu nome acabou sendo alterado para Kievsky em 1934.

  1. Belorussky (lê-se Belorússki)

A estação ferroviária de Belorussky é às vezes chamada de “janela [de Moscou] para a Europa”, porque também dispõe de trens que têm conexão direta com Paris, Varsóvia, Praga e Berlim. Inaugurada em 1870, mudou de nome várias vezes – Smolensky, Brestsky ou Alexandrovsky – antes de receber o nome atual, em 1936.

A Belorussky foi pano de fundo de eventos históricos importantes. Em 1896, um pavilhão imperial foi erguido na estação para receber o tsar Nicolau 2º, que chegaria a Moscou para a sua coroação. Na época soviética, as pessoas se reuniram ali para recepcionar o lendário piloto de testes de aeronaves, Valéri Tchkalov, após seu voo recorde em 1937, de Moscou para Vancouver (estado de Washington, nos EUA), via polo Norte. Além disso, foi a partir da Belorussky que as tropas foram enviadas para a frente ocidental durante a Segunda Guerra Mundial, e aqueles que sobreviveram à guerra chegaram a essa estação para celebrar a vitória, em 1945.

O atual edifício foi projetado pelo arquiteto Ivan Strukov e inaugurado em 1912.

  1. Kursky (lê-se Kúrski)

O boom ferroviário da década de 1860 foi parcialmente desencadeado pela desastrosa Guerra da Crimeia, durante a qual as movimentações das tropas acabaram sendo desaceleradas devido a condições precárias das estradas de terra. Em 1857, criou-se a Sociedade Ferroviária Russa, com o objetivo de desenvolver a rede ferroviária do país, e engenheiros franceses foram contratados para conduzir os trabalhos.

Um dos projetos da companhia foi a construção de vias férreas ligando Moscou a Níjni Nôvgorod, Kursk e Murom. A Estação Ferroviária de Kursky foi construída em 1896 para servir essas linhas, e, quando reconstruída em 1938, a maior parte do design original acabou sendo preservada.

Em 1972, um grupo de jovens arquitetos foram encarregados de uma grande reforma e se inspiraram na estação Termini, em Roma. Por isso, uma fachada de vidro contemporânea foi acrescentada, ofuscando completamente o edifício histórico.

A Kursky parecia uma monstruosidade em comparação com as demais estações de trem da cidade que datam do final do século 19 e início do século 20. E olha que essa não foi a tragédia final: no início dos anos 2000 o edifício foi totalmente encoberto pelo enorme shopping center Atrium, erguido entre a estação e o Anel de Jardins.

  1. Leningradsky (lê-se Leningrádski)

A primeira estação de trem de Moscou, antes conhecida como Nikolayevsky, em homenagem ao imperador russo Nicolau 1º, simboliza o início do desenvolvimento ferroviário do país, em meados do século 19. A primeira ferrovia, construída sob a supervisão de engenheiros americanos, conectava Moscou a São Petersburgo.

Duas estações idênticas foram erguidas nas duas principais cidades do império; a que fica em São Petersburgo é atualmente conhecida como Moskovsky. A de Moscou foi concluída em 1849, e os trens que ligam as duas começaram a operar em 1851.

Em meados dos anos 2000, a Russian Railways, companhia ferroviária nacional, anunciou que a estação receberia seu nome original, Nikolayevsky, mas a iniciativa não saiu do papel, e a estação ainda é conhecida como Leningradsky.

  1. Yaroslavsky (lê-se Iaroslávski)

O local da estação ferroviária Yaroslavsky era antes ocupado pelo Tribunal de Artilharia, uma fábrica e armazém de armas. Durante a campanha de 1812 contra Napoleão, houve um incêndio depois de munições armazenadas explodirem.

O primeiro edifício da Yaroslavsky (na época, Troitsky) foi inaugurado em 1862 e cobria originalmente um pequeno trecho de ferrovia entre Moscou e Serguiev Possad. À medida que a ferrovia foi sendo expandida, a estação recebeu o nome de Severny (Norte), mas voltou a se chamar Yaroslavsky em 1955.

Um novo edifício, projetado pelo arquiteto Fiódor Chekhtel, foi erguido em 1904, em estilo inspirado na arquitetura russa medieval.

Incidentalmente, várias pessoas envolvidas nessas construções tinham conexões com literatura russa. O engenheiro Fiódor Chizhov, o supervisor do projeto, também era editor e executor do testamento de Nikolai Gógol, e um dos principais investidores da empresa que financiou o projeto era Andrêi Delvig, sobrinho do poeta Anton Delvig.

  1. Savelovsky (lê-se Saviólovski)

Savelovsky é a única estação de trem da capital russa que recebeu o nome de uma pequena cidade, Savelovo (em contraste com Kiev ou Kazan, por exemplo). A ideia de construir uma estrada de ferro de 130 quilômetros ligando Moscou a Savelovo partiu do proeminente empresário e filantropo Savva Mamontov, também chefe da Sociedade Ferroviária Moscou-Iaroslavl no final da década de 1890.

O local da futura estação ficava além dos limites da cidade, o que barateava o terreno e o projeto. A Duma da Cidade de Moscou (Assembleia Legislativa), entretanto, ampliou os limites da cidade, incluindo essa área, e a construção tornou-se mais cara. Com isso, as obras foram marcada por atrasos e revisões do projeto original.

Eventualmente, outra empresa ferroviária planejou comprar o trecho ferroviário já construído e transferir a estação de trem para outro lugar, mas o projeto ruiu.

A Savelovsky foi, enfim, aberta em 1902. No início dos anos 2000, houve planos de fechá-la completamente, com outra estação de trem, Rijsky, mas isso jamais ocorreu.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais

Comentários: