Brasília, 17 de janeiro de 2018 às 02:05
Selecione o Idioma:

Internacional

Postado em 24/02/2016 5:43

Vírus da febre amarela causa 99 mortes em Angola

.


Warning: Illegal string offset 'filter' in /home1/patri590/public_html/patrialatina.com.br/wp-includes/taxonomy.php on line 1372
Share Button

Luanda, 24 feb (PL) Chegou a 99 a cifra de pessoas mortas pelo vírus de febre amarela em Angola, onde se registram 461 casos de contágio desde dezembro, segundo o último boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério de Saúde.

De acordo com a fonte, o capitalino município de Viana, onde começou a epidemia, tem o maior número de casos (173) e falecidos (53).

A comunicação indica que a totalidade das infecções se localizam em Luanda, seguida das províncias de Huambo e Bie.

Recentemente o representante aqui da Organização Mundial da Saúde, Hernando Agudelo, disse que está prevista a vacunação de sete milhões de pessoas nesta cidade.

Por sua vez o ministro de Saúde, José Vão-Dúnem, reconheceu que pela insuficiente quantidade de vacinas terão prioridade os meninos, grávidas e aquelas pessoas que nunca foram vacinadas.

Uma megacampanha de combate ao surto começou no passado dia 2 em Viana, mas depois se estenderá pelos demais distritos capitalinos.

A campanha compreende ações de sensibilização nas populações para reforçar medidas de prevenção como tampar os recipientes de água, colocar óleo queimado em pantanos e se proteger contra as picadas de mosquitos.

Aparece também entre as ações a distribuição de pequenas doses de Bactivec (desinfectante para água), tratamentos contra criadouros de larvas de mosquito, fumigação intra e extra domiciliária, bem como a vacinação.

A literatura médica indica que a febre amarela é uma doença viral transmitida por mosquitos infectados e provoca febre, dores musculares, perda de apetito, vómitos e náuseas que podem levar à morte

Calcula-se que a cada ano se registram no mundo 130 mil casos dessa doença que causam umas 44 mil mortes em países endêmicos africanos, onde se notifica o 90 por cento das infecções.

Comentários: